Como cuidar das plantas durante a viagem de férias

Escrito por Thiago Assunção

Foto: iStock

Quem mora sozinho e planeja fazer uma viagem de férias precisa que se programar para lidar com a organização da casa, para que tudo fique em dia. Deixar contas pagas, casa limpa, torneiras fechadas e se tiver algum animal de estimação, procurar um hotel de animais ou amigo mais próximo para cuidar do pet. Mas o que fazer com as plantas? Tem hotel para planta? Vale levar os vasos de flores para a casa da mãe?

Se você realmente quiser que suas plantas sejam bem ‘assistidas’, o que garante que elas estarão sendo bem cuidadas, o mais indicado é que você tenha um amigo(a) ou familiar que possa ‘adotar’ sua planta no período de sua ausência, regando com frequência e tirando folhas secas. Agora se você não dispõe desse apoio, será preciso recorrer a alguns métodos caseiros para garantir que sua planta seja regada com frequência.

A independência das plantas

Foto: iStock

Existem algumas plantas que se dão bem com pouca água, o que facilita a vida de quem viaja com frequência. Mas existem outras espécies que precisam desses métodos se você quiser encontrá-las vivas quando voltar das férias. De acordo com o decorador e florista Roberto Rabello, algumas plantas resistem à ausência de água por um bom período. “Têm plantas que sobrevivem até 30 dias de férias de seu dono – o que também é ótimo para os solteiros que querem ter contato com a natureza, mas que possuem pouco tempo para cuidar”, comenta.

Vai tirar férias e quer saber como cuidar das plantas durante sua viagem? Ou quer adotar uma planta, mas se preocupa com o pouco tempo que vai ter para cuidar delas? Antes de começar a pegar uma garrafa plástica ou ir em uma loja especializada em jardinagem atrás de um vaso tecnológico, você precisa entender um pouco sobre irrigação.

Como irrigar as plantas de forma correta

Foto: iStock

Cada espécie tem sua particularidade. Enquanto um grupo de planta precisa de cuidados diários, outro permite que você faça a irrigação com longos intervalos. Consequentemente, cada espécie exige uma determinada quantidade de água, tendo em vista o lugar de cultivo, se é ambiente interno ou externo, se a planta está em um vaso ou canteiro, se é bem arejado e iluminado, entre outros pontos.

Por isso, pesquise o tipo de planta que você possui e veja em qual localidade da sua casa está a planta, assim como o recipiente. Dessa forma, é possível você planejar a demanda de abastecimento adequadamente, não deixando que a planta sobrecarregue de água e apodreça.

Plantas frutíferas ou floríferas em vasos

Foto: Reprodução / Vannuza Dias

No período mais quente do ano, as plantas que estão em vasos e produzem flores e frutas, de certo modo, precisam de água diariamente. Neste caso, o melhor seria acoplar um gotejador de água.

Plantas suculentas e cactáceas

Foto: iStock

Como elas armazenam água em suas folhas e caules, as plantas desse grupo passam dias e até semanas sem pedir mais água. Portanto, se você for viajar por um longo período, deixe que o gotejador pingue pouca água, se não o excesso pode fazer a planta morrer.

Ervas em jardineiras ou canteiros

Foto: iStock

As plantas herbáceas, assim como ervas aromáticas, que são plantadas em jardineiras ou canteiros, precisam ser regadas constantemente. Para elas, é indicado que o gotejador, ou algum sistema de rega, seja aplicado com um volume considerável de água.

Vaso de orquídeas

Foto: iStock

Elas suportam a ausência de água por um bom período. Para mantê-la salva, regue-a bem antes de viajar e coloque-a em um local protegido do sol direto.

Folhagens

Foto: iStock

Samambaias, jiboias e bromélias devem ser regadas com frequência, porém cada espécie tem sua característica para a rega. A samambaia, por exemplo, precisa de água diariamente nos dias mais quentes. Um sistema de rega automático é bem vindo!

Plantas no jardim

Foto: iStock

Se as suas férias acontecerem nos dias quentes ou de longos períodos sem chuva, é melhor você contar com um sistema de irrigação automática, pois existem plantas que demandam essa necessidade. Além dessas plantas, Roberto Rabello acrescenta outras duas espécies que também sobrevivem à ausência de água. “Espadas de São Jorge, que além de decorativas são resistente no ambiente interno e externo, e a Rosa do Deserto, que retém bastante água”, explica.

E o que fazer para irrigar as plantas durante as férias?

Mas não é difícil sair de casa sem a preocupação que a plantinha não sobreviva. Alguns macetes podem ajudar a mantê-la bonita durante o período de sua ausência. Confira:

Irrigação na banheira

Foto: Reprodução / Cacho Arquitetura

Se você tem uma banheira, já tem o que precisa para deixar suas plantas regadas. Basta tampar o ralo, colocar um pano ou um plástico que cubra o fundo, e em cima dele algum objeto que absorva a água, ao mesmo tempo em que funciona como suporte para as plantas. Tijolos ou madeira são boas opções. Coloque as plantas em cima desse suporte e encha a banheira até completar aproximadamente 5cm de altura. Isso fará com que as plantas absorvam a água quando precisarem.

Irrigação no cadarço ou barbante

Foto: Reprodução / CHEAP CRAFTING

Se você não tem banheira, use o cadarço ou barbante! Pegue um cadarço de algodão e coloque uma ponta dentro do vaso. A outra ponta, coloque dentro de uma garrafa cheia de água. Repita o procedimento para outros vasos, usando a mesma garrafa como fonte de água. Quando as plantas estiveram secas, elas vão sugar a água através do cadarço.

Irrigação conta-gotas

Foto: iStock

Você pode criar um sistema de irrigação conta-gotas usando uma garrafa de refrigerante. Este é um dos métodos mais conhecidos. Pegue uma garrafa e fure a tampa com um alfinete. Em seguida, coloque a garrafa, cheia de água e com a tampa furada, virada de cabeça para baixo no vaso. É importante verificar se a quantidade de água que vai sair da garrafa é suficiente para o vaso. Caso não seja, use uma garrafa maior. Vale também deixar a garrafa em pé, e fazer pequenos furinhos no fundo.

Observação: não se esqueça de retirar a pressão da água, fazendo de 1 a 3 furos no fundo da garrafa. E nunca coloque a garrafa na terra muito molhada ou muito seca. Você pode fazer este procedimento entre 1 a 2 dias após regá-la, senão a terra pode impedir que a água saia.

Irrigação automática

Foto: iStock

Se você prefere contar com um sistema de irrigação automática, facilmente encontrará esses produtos em lojas de jardinagem. Eles possuem um temporizador para ajudar a controlar o fluxo de água. São produtos que podem custar caro, mas dependendo da espécie sua planta, pode ser necessário.

Existe uma outra opção de irrigação que são as hidro jardineiras. São vasos que possuem um depósito de água na parte de baixo, que fornece água diretamente para a raiz da planta. Também é um produto que pode custar caro. Sendo assim, escolha essa opção para plantas maiores, que demandam mais água, e deixe os outros métodos acima para as plantas menores – mais baratos e com menos uso de água.

Irrigação com gel

Foto: iStock

Existe um sistema conhecido como “Dry Water” (também conhecido como Suplemento de Irrigação), que é um gel composto basicamente de água e celulose e que, quando colocado na planta, dilui lentamente, se transformando em água novamente em um processo que acontece devido ao contato com as bactérias do solo. A duração do gel é entre 30 e 90 dias, de acordo com a aplicação, que depende das necessidades da planta.

Além de todas essas dicas para regar suas plantas automaticamente, o paisagista Guilherme Madella, da Naturally’s Decoração, cita outras ideias e dicas também simples e eficientes de irrigação e manutenção da umidade. “Cobrir a boca do vaso com casca de pinus ou areia e regar bem ajudam a manter a umidade das plantas. Deixar todos os vasos próximos uns aos outros ajudam a criar um microclima que beneficia a todos também. É importante não esquecer de deixar as plantas em um local bem iluminado e arejado”, comenta.

O que não fazer?

Foto: iStock

Jamais deixe água parada no pratinho da planta. Além de atrair insetos, a água pode ser em quantidade exagerada para a planta – sem falar que a água pode evaporar. Evite também podar as plantas antes de viajar, pois é preciso acompanhar o desenvolvimento da planta depois da poda e talvez seja necessário adubá-la.

Da mesma forma que os cuidados com a água são necessários, a localização da planta também precisa de atenção. Evite colocá-la em um lugar abafado, assim como na exposição direta do Sol: isso pode queimá-la. Se você colocar em prática essas dicas, com certeza seu jardim sobreviverá durante sua ausência, garantindo que a natureza viva dentro de casa.

PARA VOCÊ

COMENTÁRIOS