Parede ombré é tendência de decoração e deixa os ambientes incríveis

Escrito por Priscila Horvat
Foto: Reprodução / HGTV

Foto: Reprodução / HGTV



A parede ombré, ou ombré wall, está cada vez mais presente nas decorações. Muito confundido com o degradé, já que as duas técnicas representam uma transição de matizes.

De acordo com a arquiteta Manuela Lopes, o que diferencia uma técnica da outra é a forma como essa transição acontece. “No caso do degradê, ela é feita de maneira abrupta, ou seja, é possível visualizar exatamente onde termina uma cor e começa outra. Já no ombré, essa transição é imperceptível e as cores vão mudando gradualmente, sem que haja divisão”, explica.

Normalmente visto na horizontal, a técnica também pode ser aplicada de outras formas, como vertical, diagonal ou em formas geométricas, por exemplo. Segundo a arquiteta, independente de qual direção e formato escolhido, a atenção deve ser em como será o processo de execução da pintura. Um ombré na vertical, por exemplo, é muito mais trabalhoso de fazer, já que a transição das cores tem que ser feita em toda a altura da parede, do piso ao teto, e isso requer o uso de escada e alongador. Para quem não tem tanta experiência em pintura de paredes, a horizontal é mais prática de fazer.

Vale lembrar que o efeito também pode ser aplicado em apenas uma parte da parede, ficando até mais bonito e mais discreto (dependendo das cores utilizadas). “Pode ser uma opção para quem quer uma pintura de parede diferente, mas que ainda tem receio de ousar demais”, aconselha Manuela.

Nem todo degradê é ombré

parede-ombre-1

Foto: Reprodução / Ampersand

A diferença entre uma técnica e outra, basicamente, é a linha que divide as cores. Se existe essa linha, é o degradé. Se não existe, e a transição é sutil, então é ombré. “Esse tipo de mudança de cores ainda pode ser caracterizado como degradê, já que é possível visualizar nitidamente a linha da troca de cores, seja ela de qual formato for”, explica a profissional.

O próprio termo “ombré”, traduzido do francês, significa “sombreado”; por isso, a técnica é bastante delicada. “Eu costumo dar o seguinte exemplo: imagine uma cartela de cores daquelas em formato de leque, que as fabricantes de tintas disponibilizam para a escolha das cores. Nelas, as cores não se misturam entre si, mesmo estando juntas; isso é o degradé. Já nas telas de edição de cores que a gente vê no computador, onde geralmente dá para personalizar a tonalidade através do sistema RGB, as cores estão juntas e completamente misturadas; não dá para perceber onde terminam e começam as cores. Esse seria o ombré”, conta Manuela.

A profissional ainda explica que, como o esfumado característico do ombré é bastante delicado, o principal efeito é o de tranquilidade e relaxamento. Usado em cores contrastantes, ele demarca uma área na parede, e isso também pode ser usado para disfarçar a altura do pé direito de um ambiente, dando a impressão de que ele é mais alto.

Dicas profissionais para não errar na mistura das cores

Foto: Reprodução / Mugutu

Foto: Reprodução / Mugutu



Segundo Manuela, o ombré pode ser feito com diversas cores ou com apenas um tom e suas variações. Nesse caso, “vai do gosto pessoal de cada um, porque nem todo mundo tem o costume de usar cores nas paredes, quanto mais várias”, explica a arquiteta. Ela ainda completa: “Mas a técnica pode ser trabalhada de uma forma bem delicada também, com o uso de cores neutras, como tons de cinza, por exemplo, que começa um pouco mais escuro e vai clareando aos poucos”.

E, fique tranquilo, que não existe nenhum material especial para a criação do ombré. Pode ser feito com qualquer pincel, desde que seja específico para pintura de parede e que seja bem macio. Mas Manuela adverte: “não é possível usar rolo de espuma para criar o efeito ombré, porque ele espalha a tinta de maneira muito uniforme, e isso acaba impedindo o surgimento do esfumado”.

Para criar o efeito, é necessário, no mínimo, duas cores, sendo que uma delas pode ser o branco, que misturado aos poucos à outra cor, cria um tom sobre tom decrescente (da mais escura para a mais clara). O máximo de cores que podem ser usadas? O céu é o limite! Deixe essa responsabilidade à cargo da sua criatividade. “Tem pessoas que gostam muito de ambientes com paredes bem coloridas, então não existe um limite para isso. A única limitação talvez seja por questões financeiras e de logística, já que será preciso adquirir muito mais material para fazer a pintura do que com poucas cores”.

Macetes importantes

Foto: Reprodução / Designed for Living

Foto: Reprodução / Designed for Living

Para não errar na mistura das cores, existem alguns macetes. A primeira grande dica é nunca misturar tudo no mesmo lugar. Usar uma bandeja e um pincel exclusivos para cada cor de tinta. “Ou seja, se o ombré for com três cores, serão necessárias três bandejas e três pinceis diferentes”, explica Manuela. Outro ponto importante é sempre seguir as orientações do fabricante na hora de diluir a tinta escolhida.

Caso opte por usar apenas uma cor sendo misturada com o branco, é bom fazer a mistura em recipientes separados, porque se for preciso retocar depois ainda vai haver tinta na tonalidade desejada. Quanto à escolha das tonalidades, algumas combinações são sempre garantidas: cores complementares e cores adjacentes no círculo cromático, misturar cores quentes com cores frias em proporções desiguais (ou seja, pintar uma área maior com uma e menor com a restante), e fazer o tom sobre tom com uma cor, misturando-a ao branco gradativamente.

Se você gostar do assunto de paleta de cores ou for ligado à cromoterapia, aproveite o momento para escolher as cores mais indicadas para cada cômodo. Não existe uma regra para qual cor deve ser aplicada em cada ambiente. “Vai do gosto pessoal de cada um, mas existem algumas regrinhas para nos direcionar na escolha das cores”.

A arquiteta explica: “cores quentes são comprovadamente mais estimulantes, então é melhor fazer a pintura com elas na cozinha e nas salas. Cores frias são mais relaxantes, ótimas para os quartos, principalmente de crianças. No caso dos home offices, é bom dosar um pouco das duas, já que é um espaço que geralmente pede concentração e disposição ao mesmo tempo”.

30 ambientes com parede ombré para se inspirar

Agora que você aprendeu mais sobre a técnica, que tal ver alguns ambientes que possuem paredes ombré? Essa pode ser a inspiração que faltava para você renovar o visual do seu lar:

1. O ombré fica uma graça aplicado em quartos de bebês

parede-ombre-3

Foto: Reprodução / Ekaterina Brodskaya



2. Dependendo da cor e móveis, o ambiente fica com cara zen

Foto: Reprodução / Coletivo Mínimo

Foto: Reprodução / Coletivo Mínimo

3. Até um corredor pode receber a técnica

parede-ombre-5

Foto: Reprodução / Kim Bougaardt

4. Delicadeza e beleza

Foto: Reprodução / Mugutus

Foto: Reprodução / Mugutus

5. O rosa deu um toque aconchegante e quente ao ambiente

parede-ombre-7

Foto: Reprodução / Colorama Stenkullen

6. A sala até parece ser maior

parede-ombre-8

Foto: Reprodução / Juan SE

7. Qualquer cantinho, por menor que seja, pode receber o efeito

parede-ombre-9

Foto: Reprodução / Jenny R

8. A cor azul é extremamente relaxante

parede-ombre-10

Foto: Reprodução / Réka Nagy

9. O cômodo ficou elegante e surpreendente

Foto: Reprodução / Emillie Marie

Foto: Reprodução / Emillie Marie

10. O quarto ficou clean e relaxante. Um convite para uma ótima noite de sono

parede-ombre-12

Foto: Reprodução / Vinaya Mathew

11. A técnica também pode ser aplicada na cozinha

parede-ombre-13

Foto: Reprodução / Fantastic Finishes NYC



12. Até uma coluna mais larga pode receber o ombré

parede-ombre-14

Foto: Reprodução / Studio Maaswater

13. O clima do ambiente é regido pelas cores

Foto: Reprodução / Abby Country Interior

Foto: Reprodução / Abby Country Interior

14. Uma graça esse quarto de bebê!

Foto: Reprodução / Grão Arquitetura

Foto: Reprodução / Grão Arquitetura

15. E que tal com mais efeitos? Fica um arraso

Foto: Reprodução / E-Interjeras

Foto: Reprodução / E-Interjeras

16. Uma sala perfeita para um bate-papo descontraído

17. O azul e o branco formam uma ótima dupla

parede-ombre-19

Foto: Reprodução / Tara

18. Ouse e utilize cores bem diferentes nas paredes e decoração

parede-ombre-20

Foto: Reprodução / Denise Bo

19. Em harmonia com os demais objetos

Foto: Reprodução / Freshome

Foto: Reprodução / Freshome

20. Escolha suas cores favoritas e crie uma paleta de cores

parede-ombre-22

Foto: Reprodução / Ekaterina Brodskaya

21. Projeto cheio de charme

Foto: Reprodução / Trace Design

Foto: Reprodução / Trace Design

22. Qualquer ambiente pode receber a técnica, até o banheiro

parede-ombre-24

Foto: Reprodução / Vanni Archive

23. Aplique no hall, que a ideia é ótima

Foto: Reprodução / Behruz Studio

Foto: Reprodução / Behruz Studio

24. Capriche na decor no seu cantinho de preces

parede-ombre-26

Foto: Reprodução / IDysign

25. Essa parede não lembra um mar revolto? Deve ser emocionante ler um livro de viagens nesse cantinho

parede-ombre-27

Foto: Reprodução / The Rookery Holiday Cottage

26. Na medida certa

Foto: Reprodução / Glubdubs

Foto: Reprodução / Glubdubs

27. Um cantinho simples e decorado

parede-ombre-29

Foto: Reprodução / Petal & Grace

28. Aquele cantinho especial para leitura

Foto: Reprodução / Freshome

Foto: Reprodução / Freshome

29. Capriche na escola da roupa de cama, para ornar ainda mais

parede-ombre-31

Foto: Reprodução / Mindful Designs

30. O lavado, com esse efeito, vai surpreender seus convidados

parede-ombre-32

Foto: Reprodução / Kawiarnia Pora Dnia

Como fazer uma parede ombré para sua casa?

Pode até parecer complicado aplicar a técnica em casa, mas – acredite! – não é. Pinte a parede desejada com as cores de sua preferência, sendo a mais escura na parte de baixo. Depois, pinte o restante da parede com a outra cor, mas é importante que a primeira aplicação ainda esteja úmida.

Com um pincel limpo e seco, comece a esfumar o ponto de encontro das duas cores, espalhando as nuances, para que se misturem uma na outra delicadamente. Não tem nenhum segredo, é só não deixar a tinta secar para que seja possível mesclar uma na outra.

Para a mistura com duas cores, você vai precisar de:

  • 2 pincéis;
  • 2 rolos de pintura;
  • Fita crepe;
  • 2 tintas (dois tons, um mais claro que o outro).

Passo 1: fixe a fita crepe nas extremidades das paredes

parede-ombre-34

Foto: Reprodução / YouTube

Coloque fita crepe em toda a extensão das paredes, para evitar manchas. Não esqueça de fazer o mesmo com tomadas e interruptores.

Passo 2: aplicação do primeiro tom

parede-ombre-35

Foto: Reprodução / YouTube

Comece pelas laterais, aplicando a cor mais escura. Preencha metade da parede com auxílio do rolo.

Passo 3: aplicação do segundo tom

parede-ombre-36

Foto: Reprodução / YouTube

Agora, aplique o segundo tom, o mais claro, a partir do centro da parede, em direção ao chão.

Passo 4: transição das cores – da mais escura para a mais clara

parede-ombre-37

Foto: Reprodução / YouTube

Aplique mais uma camada do tom mais escuro na parte de cima da parede. Desça o pincel um pouco mais, passando a tinta mais escura por cima da tinta mais clara. Mescle bem as tintas, e tenha cuidado para não deixar a marca do pincel.

Passo 5: transição das cores – da mais clara para a mais escura

parede-ombre-38

Foto: Reprodução / YouTube

Agora é só repetir o processo anterior, só que ao contrário. Aplique outra vez o tom mais claro, de baixo para cima, subindo um pouco mais, para misturar os tons.

Passo 6: nova parede pronta!

parede-ombre-39

Foto: Reprodução / YouTube

Prontinho. Agora é só soltar a criatividade e decorar seu novo cantinho.

Se gostou da ideia, escolha já uma parede e arregace as mangas. Manuela explica que a técnica pode ser aplicada em qualquer parede, de qualquer ambiente. Mas, levando em consideração que é uma técnica que requer um pouco mais de dedicação, é interessante que a obra seja feita em uma parede que fique sempre à vista, para valorizar todo o trabalho, como uma bela obra de arte sempre exposta.

Aproveite e use o efeito a seu favor. A arquiteta conta que o ombré pode disfarçar a altura de um ambiente. “Para que esse efeito aconteça, é importante evitar fazer a divisão das cores no meio exato da parede. Procure fazer essa transição abaixo da metade dela, senão o efeito pode ser contrário: o ambiente vai parecer menor”, finaliza.