Piso flutuante: saiba o que é e como ele pode transformar o ambiente

Escrito por Amanda Barata

Com certeza você já viu muito piso flutuante por aí e nem sabia! O revestimento ganhou esse nome por ser aplicado sobre outro, sem a necessidade de uso de argamassa, ficando dessa forma “flutuando” sobre o outro piso.



Contando com diferentes modelos e de prática aplicação, o piso flutuante já garantiu seu espaço nos mais diferentes ambientes e vem sendo uma das escolhas preferidas de arquitetos e engenheiros. Se você está tendendo a aderir a esta proposta, não deixe de conferir essa matéria não só para conhecer os tipos de pisos diferentes, mas também as nossas dicas sobre cada um deles.

Tipos de piso flutuante

São dois os tipos de pisos flutuantes: laminado e vinílico. Vamos explicar abaixo do que se tratam cada um deles para que você possa entender as particularidades de pisos tão parecidos.

Piso laminado

O piso laminado é composto por camadas de materiais derivados da madeira, como aglomerado e painel de madeira de alta densidade, mais conhecido como HDF. A camada superior recebe uma estampa decorativa que recebe aplicação de resina e conta com diferentes texturas e padrões, possibilitando uma infinidade de combinações. O laminado ainda conta com opções de pisos para ambientes internos, como casas e apartamentos, bem como para locais de alto tráfego, como academias e lojas.

Piso vinílico

O piso vinílico é feito de PVC e pode ser encontrado em placas, réguas ou mantas. Devido às suas características, ele tem ótimo isolamento acústico e resistência. Assim como o laminado, conta com diferentes opções de padrões e cores, e pode ser aplicado com cola ou por um sistema de clicagem. O vinílico ainda conta com um tipo diferente de aplicação, que é por adesivo, que já vem aplicado à lâmina.

Esses dois pisos se diferem basicamente pela composição e por algumas particularidades que serão descritas ao longo da matéria. Esse revestimento é um dos mais procurados no mercado, e por isso você deve saber o que vai encontrar de oferta quando começar a sua busca.

Preço do piso flutuante

O valor do piso varia de acordo com o material e fabricante escolhidos, mas de modo geral o laminado costuma ser mais em conta do que o vinílico. Lembre-se que além de considerar o preço do revestimento, também é preciso levar em conta os demais materiais necessários para aplicação.



É possível encontrar versões de pisos flutuantes a partir de R$ 20 o m², sem instalação, variando de acordo com a qualidade e características do modelo. A variação entre os preços do piso vinílico e laminado não costumam ser tão significativas, mas precisam ser consideradas de acordo com a necessidade do ambiente.

Agora que você já sabe a base de investimento, vamos pontuar algumas vantagens e desvantagens do piso flutuante para te ajudar a fazer a escolha certa.

Piso flutuante: vantagens e desvantagens

Prático, acessível e versátil, o piso flutuante merece destaque, mas também atenção. Antes de optar por esse tipo de revestimento, confira algumas características que devem ser levadas em consideração:

Vantagens

  • De fácil instalação, dispensa o uso de argamassas;
  • Ótimo acabamento estético;
  • Resistente ao calor;
  • Fácil de limpar, sendo suficiente uma vassoura de cerdas macias e um pano úmido com água e sabão neutro;
  • Gera conforto térmico, pois o piso não fica gelado, ao contrário das cerâmicas;
  • Ótima durabilidade, quando bem conservado;
  • Boa acústica externa, logo os sons internos não se propagam para os andares de baixo;
  • Bom preço se comparado a outros revestimentos como pisos de madeira e porcelanatos;
  • Tem bom tempo de garantia pois os fabricantes oferecem pelo menos 10 anos ou mais do produto;
  • Por serem produzidos com componentes químicos, não são atrativos ao ataque de cupins.

Desvantagens

  • Não absorve sons, logo, se um objeto cai no chão o som tende a refletir internamente;
  • É um piso extremamente liso e pode causar escorregões, principalmente aos animais de estimação;
  • Não pode ter contato com água;
  • Baixa resistência à umidade, não devendo ser usado em ambientes como cozinhas e banheiros;
  • Risca em caso de alta abrasão, logo recomenda-se o uso de feltro em pés e rodízios de móveis;
  • Em caso de exposição constante ao sol, tende a desbotar.

Com esse resumo, você já consegue tirar boas conclusões sobre o piso flutuante. Agora entenda como é feita a instalação desse revestimento e se impressione com a facilidade e praticidade que ele oferece.

Como instalar o piso flutuante

iStock

A instalação do piso flutuante é fácil e rápida, o que possibilita que no dia seguinte à aplicação você possa transitar normalmente pela superfície. Preparamos um tutorial para que você entenda as etapas dessa instalação.

Análise do contrapiso

Antes de começar a instalação, você deve observar o contrapiso onde o revestimento será instalado. Ele precisa estar seco, limpo e nivelado. O piso laminado aceita variações de nivelamento de até 3 mm, já o vinílico não tem bom acabamento caso a superfície não esteja bem nivelada. Para resolver, basta aplicar uma massa niveladora composta por cola e cimento nas áreas onde as superfícies não estão lisas e esperar secar para inciar a aplicação do piso flutuante.

Aplicação da manta

Aplique a manta adequada sobre o contrapiso, no sentido oposto ao da colocação das réguas, deixando 1 cm de sobra no canto da parede e unindo as faixas com fita adesiva.

Aplicação de espaçadores

Posicione os espaçadores ao longo da parede mais próxima ao local por onde vai iniciar a instalação, que deve ser a de maior largura do ambiente. É extremamente importante que este espaço seja respeitado, pois dependendo da temperatura, o piso pode se expandir ou retrair.



Posicionamento das réguas

Ao planejar o desenho, a distância do topo de uma régua a outra deve ser de no mínimo 1/3 do comprimento da régua. Evite que no sentido da largura haja uma fileira de réguas de dimensão inferior a 5 cm, ou no sentido do comprimento, que haja uma régua menor que sua largura. Alternar a posição das peças é regra básica para a instalação do piso laminado, por isso, faça a terceira fileira como a primeira e a quarta como a segunda até o fim do processo.

Aplicação das réguas com cola

Coloque a primeira régua com o lado macho voltado para a parede. Este lado é feito para encaixar e não para receber o encaixe de outra placa. Em seguida, coloque a segunda régua. Durante a instalação, a cola deve ser aplicada no lado fêmea do revestimento, em uma quantidade que sobre na superfície após o encaixe, para que a cola faça uma vedação no piso, evitando assim a infiltração de líquidos que possam vir a danificar o mesmo. Não deixe de tirar o excesso de cola com um pano úmido logo em seguida, pois após secar, fica muito mais difícil de retirá-la e o piso pode ficar com um acabamento indesejado. É muito provável que a última régua da primeira fileira precise ser ajustada em relação ao comprimento. Se for necessário serrar a lâmina para adequação de tamanho, é importante que o lado decorativo esteja virado para baixo, a fim de não ser danificado, e que esta régua fique com no mínimo 20 cm. Para instalar, a parte cortada deve ficar voltada para a parede. Comece a segunda fileira utilizando uma régua cortada, colocando-a em um ângulo de 30° e descendo para encaixá-la. Use um bloco batente para unir as réguas.

Aplicação das réguas com método click

O piso click, também conhecido como piso clicado, é uma opção mais rápida, prática e limpa, pois não necessita da aplicação de cola durante sua instalação. As réguas se encaixam entre si como em um jogo de peças, portanto, não há a necessidade de nenhum material auxiliar.

Instalação de rodapés e cantoneiras

Assim que todas as réguas forem instaladas, retire os espaçadores e fixe os rodapés na parede com cola e pregos sem cabeça.

Além de um ótimo acabamento estético, o piso flutuante apresenta resistência quando bem instalado. Por isso, é importante que um profissional capacitado seja contratado para realizar a aplicação desse tipo de revestimento. Geralmente, as lojas que comercializam esse tipo de piso oferecem também a instalação do mesmo.

Agora que você já tem todas as informações que precisa, basta escolher qual tipo de piso flutuante é mais adequado para o ambiente que você tem. Seja vinílico ou laminado, você vai conseguir um resultado natural, diferente e muito moderno.

PARA VOCÊ